É o fim dos marajás no serviço público?